Venha conhecer. Consulte as condições através dos nossos contatos.

Venha conhecer. Consulte as condições através dos nossos contatos.

Venha conhecer. Consulte as condições através dos nossos contatos.

Universidade de Coimbra

A Universidade de Coimbra é uma universidade localizada na cidade de Coimbra, em Portugal. É uma das universidades ainda em operação mais antigas do mundo e a mais antiga de Portugal.

A sua história remonta ao século seguinte ao da própria fundação da nação portuguesa, dado que foi criada em 1290, mais especificamente a 1 de março, quando o Rei D. Dinis I assinou em Leiria o documento Scientiae thesaurus mirabilis, o qual criou a própria universidade, que foi intermediada e foi confirmada pelo Papa.

Em 22 de junho de 2013 foi declarada Património Mundial pela UNESCO.

A universidade, inicialmente instalada na zona do atual Largo do Carmo, em Lisboa, foi transferida para Coimbra, para o Paço Real da Alcáçova, em 1308. Voltou em 1338 para Lisboa, onde permaneceu até 1354, ano em que regressou para Coimbra. Ficou nesta cidade até 1377 e voltou de novo para Lisboa neste ano.

Permaneceu em Lisboa até 1537, data em que foi transferida definitivamente para Coimbra, por ordem de D. João III.

A Universidade de Coimbra possui aproximadamente 20 mil estudantes, abrangendo uma das maiores comunidades de estudantes internacionais em Portugal, sendo a sua universidade mais cosmopolita.

Além disso, é o membro-criador do chamado Grupo Coimbra, uma rede de universidades europeias cujo objetivo é a colaboração académica entre elas.

A universidade recebeu os seus primeiros estatutos em 1309, com o nome Charta magna privilegiorum. Os segundos estatutos foram outorgados no ano de 1431, durante o reinado de D. João I, com disposições sobre a frequência, exames, graus, propinas e ainda sobre o traje académico. Já no reinado de D. Manuel I, em 1503, a Universidade recebeu os seus terceiros estatutos, desta vez com considerações sobre o reitor, disciplinas, salários dos mestres, provas acadêmicas e cerimônia do ato solene de doutoramento.

Desde o reinado de D. Manuel I, todos os Reis de Portugal passaram a ter o título de «Protetores» da Universidade, podendo nomear os professores e emitir estatutos.

O poder real, bastante mais centralizado a partir de D. João II, criava uma dependência da universidade em relação ao Estado e à política, pelo que a preponderância dos estudos jurídicos se estabeleceu em Portugal.

A 27 de Dezembro de 1559, no reinado de D. Sebastião), Baltazar de Faria fez a entrega dos Quartos Estatutos, nos quais se determinou que o reitor fosse eleito pelo Claustro, disposição essa nem sempre foi cumprida pelo poder régio. Nesse mesmo ano, a 1 de Novembro, tinha sido solenemente aberta a Universidade de Évora, entregue aos jesuítas.

Em 1591, de Madrid, vieram os Sextos Estatutos (os quintos foram deixados de lado, nunca tendo entrado em vigor) e foram apresentados em Claustro no ano seguinte. Determinava-se que a Universidade indicasse três nomes para o cargo reitoral, escolhendo o rei um deles.

No reinado de D. João V, João Frederico Ludovice terá feito o risco para a Torre da Universidade de Coimbra e portal da Biblioteca.

No reinado de D. José I, a Universidade sofreu uma profunda alteração. Em 28 de Junho de 1772 o rei ratifica os novos estatutos (Estatutos Pombalinos), que marcam o início da Reforma. Esta manifestava, sobretudo, um grande interesse pelas ciências da natureza e pelas ciências do rigor, que tão afastadas se encontravam do ensino universitário.

Em 1911, a Universidade recebe novos estatutos com o objetivo de criar uma certa autonomia administrativa e financeira e criava também um sistema de bolsas para fazer aumentar o número de alunos no ensino superior.

Mas a maior alteração na história recente da Universidade dá-se a partir de 1942, quando grande parte da zona residencial da Alta de Coimbra foi demolida para dar lugar ao complexo monumental da moderna Universidade, até então alojada no antigo paço real com alguns elementos dispersos pela cidade. Esta obra de vulto, a cargo dos arquitetos Cottinelli Telmo e Cristino da Silva seria concluída em 1969.

Em 1989 são publicados os estatutos que estão atualmente em vigor.

Durante os seus mais de sete séculos de existência, a Universidade, hoje uma instituição de referência, foi crescendo, primeiro por toda a Alta de Coimbra e depois um pouco por toda a cidade, encontrando-se atualmente ligada a gestação de ciência e tecnologia e à difusão de cultura portuguesa no mundo.

No reinado de D. José I, a Universidade sofreu uma profunda alteração. Em 28 de Junho de 1772 o rei ratifica os novos estatutos (Estatutos Pombalinos), que marcam o início da Reforma. Esta manifestava, sobretudo, um grande interesse pelas ciências da natureza e pelas ciências do rigor, que tão afastadas se encontravam do ensino universitário.

Em 1911, a Universidade recebe novos estatutos com o objetivo de criar uma certa autonomia administrativa e financeira e criava também um sistema de bolsas para fazer aumentar o número de alunos no ensino superior.

Mas a maior alteração na história recente da Universidade dá-se a partir de 1942, quando grande parte da zona residencial da Alta de Coimbra foi demolida para dar lugar ao complexo monumental da moderna Universidade, até então alojada no antigo paço real com alguns elementos dispersos pela cidade. Esta obra de vulto, a cargo dos arquitetos Cottinelli Telmo e Cristino da Silva seria concluída em 1969.

Em 1989 são publicados os estatutos que estão atualmente em vigor.

Durante os seus mais de sete séculos de existência, a Universidade, hoje uma instituição de referência, foi crescendo, primeiro por toda a Alta de Coimbra e depois um pouco por toda a cidade, encontrando-se atualmente ligada a gestação de ciência e tecnologia e à difusão de cultura portuguesa no mundo.

O que visitar na Universidade de Coimbra:

 

A Sala dos Capelos, ou Sala Grande dos Atos é a principal sala da Universidade de Coimbra e local onde se realizam as principais cerimónias académicas. É também conhecida por Sala dos Capelos, nome dado à capa ornamental usada pelos Doutores da Universidade em ocasiões solenes. Foi aqui, antiga Sala do Trono do Paço Real, que entre Março e Abril de 1383 se reuniram as Cortes para aclamar Rei de Portugal D. João, Mestre de Avis.

 

 

A Sala do Exame Privado, cuja atual disposição data da renovação realizada em 1701, era o local onde os licenciados realizavam as suas provas a Doutores. Esta consistia num exame oral privado, feita à porta fechada e à noite. A sua exigência era tal que a sua memória se manteve após o seu fim, com a Reforma Pombalina, na década de 70 do séc. XVIII.

 

 

A Sala das Armas alberga as armas (alabardas) da extinta Guarda Real Académica, utilizadas pelos Archeiros apenas nas cerimónias académicas solenes - Doutoramentos solenes e Honoris causa, Investidura do Reitor, Abertura Solene das Aulas.  

 

 

Capela de S. Miguel

A capela original remonta provavelmente ao séc. XI, após a conquista da cidade aos Mouros em 1064.

A atual configuração resulta da renovação do séc. XVI patrocinada por D. Manuel I, cujo estilo decorativo vê a sua marca no portal lateral, um dos mais simples e belos do seu género.

A decoração interior foi realizada ao longo dos sécs. XVII e XVIII.

 

 

Biblioteca Joanina

A Casa da Livraria, construída entre os anos de 1717 e 1728, é um dos expoentes  do Barroco Português e uma das mais ricas bibliotecas europeias. Contribuíram na sua decoração mestres como Manuel da Silva, Simões Ribeiro e Vicente Nunes. Desconhece-se a autoria do projeto, mas conhece-se o seu executante, Gaspar Ferreira.

Ficará conhecida como Biblioteca Joanina em honra e memória do Rei D. João V (1707-1750), que patrocinou a sua construção e cujo retrato, da autoria de Domenico Duprà (1725), domina categoricamente o espaço.

Começou a receber os primeiros livros depois de 1750, e atualmente o seu acervo é composto por cerca de 55 000.

 

 

Prisão Académica

A Universidade de Coimbra possuía desde 1541 autonomia jurídca. Estavam subordinados à “Lei Académica”, consagrada nos seus estatutos desde 1591, todos os que de alguma maneira se encontravam ligados à instituição. Esta autonomia permitia à Universidade possuir Juiz, Guarda e Prisão.

A Prisão Académica funcionou inicialmente em dois aposentos sob a Sala dos Capelos, logo em 1559. Em 1773 foi transferida para o edifício da Biblioteca Joanina que viu incorporados e recuperados os restos do que fora o antigo cárcere do Paço Real e que documentam a única cadeia medieval que ainda existe em Portugal.

 

 

Torre da Universidade

A Torre, com 33,5 metros de altura, é a imagem de marca da Universidade e da cidade de Coimbra. Da autoria do arquiteto italiano António Cannevari, foi edificada entre 1728 e 1733, em substituição da torre que João de Ruão erigira em 1561.

A Torre da Universidade foi recentemente alvo de uma intervenção na sua estrutura que permite aos visitantes a deslocação ao seu topo e disfrutarem de uma vista ímpar sobre a cidade de Coimbra – por razões de segurança é interdita a entrada em dias de mau tempo e a crianças menores de 12 anos.

 

© 2015 Antiga Portugueza Unipessoal, Lda - Todos os direitos reservados. - RNAAT Nº 144/2014 - Política de Privacidade e Cookies.

37,50 €

25,00 €

20,00 €

17,50 €

15,75 €

O tour inclui transporte exclusivo do hotel para a Universidade de Coimbra. Aqui realizaremos visita guiada ao Paço Real das Escolas, e aos seus mais emblemáticos locais: Capela de S.Miguel, Biblioteca Joanina, Sala dos Capelos, Sala do Exame Privado, Sala das Armas e Prisão Académica.

(Duração estimada do Tour: 3 horas)

Há muito mais para ver. Venha conhecer.

Venha connosco visitar este magnífico monumento na alta de Coimbra. Com transporte exclusivo e guia privativo, em português, espanhol e inglês.